A mãe que trabalha

Li um artigo muito legal no Just Real Moms sobre os preconceitos que sofrem as mães que decidem não trabalhar fora e se dedicar totalmente aos filhos. Mais especificamente, o artigo lista o que não deve ser dito a uma mãe que tomou essa decisão.

A verdade é que as mães sofrem com preconceito em diversos assuntos e, inclusive, de outras mães. Seja na hora de amamentar em público, seja com relação ao trabalho, ou qualquer outro quesito que trate de crianças, a sociedade sabe ser cruel.

Antigamente (e nem tão antigamente assim), era comum as mulheres não trabalharem fora de casa e ficarem cuidando dos filhos e da casa. Com a evolução do pensamento de igualdade, as mulheres lutaram e conquistaram lugar no mercado de trabalho. Tanto que, hoje, uma mulher que decide não trabalhar é que é mal-vista.

Os argumentos, como cita o artigo, são diversos e variados, e as mulheres que tomam essa decisão acabam se sentindo acuadas inclusive por suas amigas que não quiseram tomar essa decisão. Mas, enfim, o que é melhor?

Eu tenho quatro filhos, mas nunca pensei em parar de trabalhar porque meu trabalho me faz muito bem e não me toma muito tempo. Sou professora de inglês e trabalho com aulas particulares. Minha sala de aula é em um imóvel alugado no condomínio onde moro. Consigo fazer meus horários conforme meus alunos solicitam e conforme eu consigo incluir na minha rotina com meus filhos.

Meu trabalho me traz alegria, me permite estar em contato com outras pessoas e outros assuntos que não os de casa. Me faz sair da “bolha” que vivemos com os filhos. Mas também me permite estar muitas horas do dia com eles, porque trabalho poucas horas por dia. Então, pra mim, vale a pena continuar trabalhando, financeira e emocionalmente. Se eu tivesse um trabalho que precisasse cumprir horário das 8h às 12h e das 13h30 às 18h, por exemplo, não sei se teria continuado com ele.

Não existe receita na hora de criar os filhos. Então, cada pessoa deve decidir o que é melhor pra si e conviver com essa decisão, mesmo que seja pra ouvir alguns comentários desagradáveis vindos, muitas vezes, de pessoas próximas e que amamos. Afinal, quando a gente decide parar de trabalhar, acham que não é correto. Mas se largarmos nossos filhos num turno integral de escolinha, também seremos criticadas. Vai entender…

0 comentários

  1. veralucia faé

    hum, ainda to pensando, mas o que é melhor fazer então.Idéia: deixe que digam, que pensem, que falem, deixe isto pra lá vem pra cá o que é que tem? Tudo são conceitos, mas lembre-se que as mulheres estão pagando muito caro pela independência que “conquistaram”. beijos a todos amo você Michele, minha sobrinha.

    1. mfvkaiser

      Concordo que a independência trouxe, na verdade, acúmulo de funções! Mas nem que seja pra reclamar, a gente quer é ter liberdade!

Deixe seu comentário