1 ano e 8 meses dos trigêmeos

Nascidos em 4 de outubro de 2013, os meninos completam hoje 1 ano e 8 meses. Mônica, nascida em 4 de agosto de 2011, completa hoje 3 anos e 10 meses. Faltam apenas dois meses para o aniversário dela!

1 ano e 8 meses dos trigêmeos

Esse último mês foi difícil! Tiveram broncopneumonia e precisaram tomar antibiótico por 10 dias. Mas, acompanhando o desenvolvimento deles pela minha descrição aqui no blog, vocês podem perceber que eu tenho falado sobre gripe e resfriado desde o post do 1 ano e 5 meses! Fazia mais de um mês que nós não dormíamos uma noite inteira. Estou extremamente feliz em contar que já faz uma semana que eles não estão com o nariz escorrendo, que não têm febre, nem tosse, nem coisa nenhuma! Finalmente voltaram a dormir a noite toda! Nem acredito em minhas próprias palavras!

Dar o antibiótico Clavulin por 10 dias aos três foi um suplício (eles fazem ânsia e querer cuspir tudo fora). Fazer uso do Aerolin de 4 em 4 horas também não foi fácil. Mas o pior de tudo foram as febres altas, que chegaram a 39,6 graus Celsius na madrugada do dia 19 de maio.

O antibiótico e a doença em si trouxeram mal-estar, então os meninos restringiram muito a alimentação. Não queriam saber de nada. Incluindo a mamadeira. Aos poucos, foram voltando a comer. Matheus e Marcelo voltaram a aceitar o mamá das 21h30 e das 8h. Mas já faz uns 15 dias que o Murilo não quer mais tomar mamadeira. Estou buscando alternativas para a ingestão de cálcio, mas por enquanto estamos fazendo uma papa de leite com bolacha Maria para ele.

1 ano e 8 meses dos trigêmeos

Não bastasse nossas preocupações com os trigêmeos, nossa Moniquinha acabou nos dando um susto imenso na última sexta-feira. Começou a reclamar de dor às 12:30 e a chorar freneticamente. Acalmava por uns 15 minutos e berrava novamente por 10. Às 17h consegui falar com a pediatra dela, que nos encaminhou para o hospital para fazer alguns exames. Ela estava com dificuldade para evacuar e, por consequência, segurava o xixi. Não conseguíamos fazê-la urinar e estava desde às 18h de quinta sem soltar uma gotinha. No hospital, a suspeita da pediatra se confirmou: bexigoma (distensão da bexiga devido ao acúmulo de urina).

Conseguimos convencê-la a fazer o xixi e saiu também o cocô. Mas como ela ainda tinha um pouquinho de dor, a médica do plantão pediu um EQU (exame qualitativo de urina) para ter certeza que não tinha infecção urinária. Trouxemos o potinho para coleta para casa. Antes do banho dela, conseguimos coletar. Deixei a urina no potinho com identificação dentro de um saquinho, bem no fundo da bancada do banheiro. Após o banho de todos, meu marido voltaria ao hospital para levar o material coletado e o resultado sairia ainda na madrugada. Enquanto eu secava e colocava o pijama na Mônica, Matheus apareceu na área de serviço mostrando ao meu marido seu troféu: o potinho da coleta do xixi. O frasco em uma mão e a tampa na outra. Vazio. Mas cadê o xixi que estava dentro? Houve a desconfiança se ele teria ingerido o xixi, mas descartamos. Naquela mesma noite, meu marido pisou de meia numa parte molhada do tapete do nosso quarto. Acreditamos que fosse o xixi.

A Mônica continuou choramingando e fazendo drama para ir ao banheiro. Não consegui convencê-la a colher o xixi para a análise. Passei o fim de semana tentando, mas ela tinha pânico do objeto coletor. Eu achava que conseguiria, mas tive muita pena dela. Como ela fazia xixi sem aparentar dor, cheguei à conclusão que ela tinha medo de fazer de tanto eu perguntar se ela estava com dor. Então, na segunda-feira pela manhã, dia 1 de junho, a levamos à pediatra junto com o Marcelo, que foi fazer a revisão da otite repetida (sarou 100%). A doutora examinou a Mônica inteira e disse que aparentemente não tinha nada, então desistimos do exame. Ela está muito bem, fazendo xixi sem problemas, mas ainda com medo de evacuar.

Ainda sobre o desenvolvimento dos meninos, eles estão se comunicando muito bem conosco. Já falam muitas sílabas e falta pouco, acredito, para soltarem a língua. Entendem tudo que dizemos. A Mônica, com essa idade, já conversava conosco. Não sei porque os meninos estão mais atrasados, mas tenho paciência e não vou pressioná-los. Estímulo damos todos os dias. Cada criança é diferente. Matheus fala bem mais do que os outros. Murilo e Marcelo brigam muito entre si, mas também brincam muito. O Marcelo faz gracinha para os outros rirem, é muito engraçado! Matheus não briga com ninguém.

Até mais!

7 comentários

  1. Daniele Rocha

    Oi, Michele! Essa fase de gripe é punk, ainda mais com a mudança de tempo! Mas q bom q todos já estão bem!!! Em relação com a fala, tente ler histórinhas antes de dormir, ajuda a estimular a aquisição de linguagem, a imaginação e envolve bastante com interação de comunicação entre filhos e mãe! Conto de história é fundamental para qualquer criança. Beijinhos

    1. Michele Kaiser

      Obrigada pela dica, Daniele! Um beijo.

  2. https://www.youtube.com/watch?v=yEMl8v-l-RE — mostra essa musica pra monica, canta com ela, vai q ajuda.

    1. Michele Kaiser

      Hahahaha! Adorei. Obrigada pela dica, Olga.

  3. Joyce Maciel

    Michele estou grávida de trigêmeos e estou bem assustada com medo …. Vendo seus filhos 1 ano e 8 meses me deixa feliz ….

    1. Michele Kaiser

      É sempre um susto e ver casos onde tudo deu certo ajuda bastante, Joyce. A gente sente aflição, preocupação… Estou aqui se precisar: mfvkaiser@yahoo.com.br

Deixe seu comentário