Chá de fraldas: a viagem que quase não fizemos

11h45 de sábado. Leva os enfeites pro carro. Dá Dramin pra Mônica. Fecha a mala, pega a mochila, uma bolsa de mão, um pacote de fraldas, quatro mamadeiras com suco de uva e pronto. Vamos nessa! Opa, esquecemos a Twilight bebê. Volta. Pronto. Amarra todos em suas cadeirinhas. Ufa! Liga o iPad com desenho dos Pequerruchos. Liga o carro, sai da garagem. Já são 12h40!

Fomos até Porto Alegre para o chá de fraldas da minha afilhadinha que está pra nascer em setembro: a Cristina, filha de minha irmã Marina. O evento estava marcado há semanas e nós estávamos ansiosos para a chegada do dia 18 de julho, já que seria a primeira visita dos trigêmeos à capital do RS. A viagem é rápida, cerca de 2 horas, mas sempre fico tensa de pegar o carro e sair com a filharada! Tem tanta coisa pra arrumar (mesmo que seja apenas um dia) que dá vontade de desistir antes mesmo de arrumar a mala!

Mas, como parece que alguma coisa sempre tem que dar errado, dois dias antes (na quinta-feira) Marcelo começou a fazer um quadro febril. Não passou de 37,8 graus durante o dia, mas o pico à noite foi de 38,3. Durante a noite, Matheus também apresentou temperatura alta e nossa viagem quase foi cancelada.

Consegui consulta com a pediatra para sexta-feira à tarde. Foram diagnosticados com uma amigdalite leve, viral, sem placa bacteriana. Sendo assim, não precisariam tomar antibiótico a não ser que o quadro evoluísse para febrão de mais de 38,5 com muita reincidência. Até às 11h de sábado ainda não havíamos decidido se iríamos para o chá de fraldas de qualquer maneira ou se abortaríamos a missão. Como a febre no sábado de manhã estava mais leve, resolvemos encarar.

Quando chegamos ao salão de festas do prédio da minha irmã, às 14h40 mais ou menos, os meninos estavam muito ruinzinhos e chorões. Os meninos não são acostumados a sair de casa, muito menos a ir a eventos barulhentos. Então, meu marido e eu decidimos levá-los para o apartamento da minha irmã e do meu cunhado e lá eles assistiram vídeos na TV, lancharam, brincaram e ficaram mais tranquilos. Os parentes que queriam vê-los acabaram tendo que ir ao apartamento.

O chá estava lindo! Fizemos uma decoração bem simples, nas cores marrom e rosa (à escolha da mãe da criança). Penduramos balões, fizemos um bolo de fraldas com fraldas transpassadas e fitas, cupcakes de fraldas e mini-mamadeiras com confeitos de chocolate dentro.

IMG_4130

Bolo de fraldas, cupcakes de fralda e mini mamadeiras.

Minha irmã abriu os presentes na presença de todos e deu tudo certo! Quase me arrependi de ter ido, mas ver minha mana feliz com nossa presença fez as coisas valerem à pena!

IMG_4206

O papai Cristiano, a mamãe Marina e as titias Milena e Michele.

IMG_4116

Varal com roupinhas que eram da Mônica e agora serão da Cristina!

IMG_4115

Mamãe com o Marcelo (com febrezinha).

IMG_4227

Matheus também estava com febrícola (o pobrezinho).

IMG_4219

Murilo e Mônica agitaram!!

IMG_4105

Murilo não tinha nenhum dodói!

Voltamos para casa no domingo. Os meninos adoraram chegar em casa. Davam gritinhos e comemoravam! Até mais!!

10 comentários

  1. Sandra

    E eu que achava que só o Davi não gostava de sair de casa. Acompanho seu blog há tempos e sou fã de seus pequenos. Sou apaixonada por todos os quatro e embora eu seja mãe de somente um, me identifico com muitos de seus posts. Parabéns por ser essa mãe maravilhosa!!! Ah, meu Davi tmb sempre comemora ao voltarmos pra casa com gritinhos e pulinhos. Ele tem um ano e três meses e sempre fica com prisão de ventre qnd viajamos. Acho que por isso a alegria de estar de volta. Bjs nesses lindos aí.

    1. Michele Kaiser

      Obrigada pelo carinho, Sandra!! A gente acha que eles estão tristes de voltarem pra casa mas é aí que ficam mais felizes! kkkk… bjs

  2. Isabella Chacin

    Você e a Milena são Gêmeas também? Se parecem muito!

    1. Michele Kaiser

      Hehehehe. Ela é seis anos mais nova do que eu! Mas realmente somos parecidas!

  3. Daniele Rocha

    Oi, Michele! Adorei as fotos! Eles já estão grandinhos e o lindos!!! Queria fazer umas perguntas que me deixaram curiosa, há mesmo necessidade de dar dramin pra sua filha? Você dá por conta própria ou com a prescrição médica?

    1. Michele Kaiser

      Olá! Eu dou porque a pediatra recomendou. A gente viaja muito raramente, prefiro dar pra ela não se sentir mal. A última vez que ela tinha tomado tinha sido em dezembro. Bjs!

      1. Daniele Rocha

        Entendi!! Bjs!

  4. Daniele Rocha

    Grandinhos e lindos!!*

  5. tiane

    Avisi-nos das novidades da Cristina e a mamãe

  6. tiane

    Estou aguardando um post sobre sua subrinha

Deixe seu comentário