Eu sei o que é melhor para o meu filho

Quem é mãe sabe da insegurança e da culpa que nascem dentro de nós quando temos nossos filhos. Buscamos a melhor maneira de cuidá-los e educá-los, pensando nas melhores opções durante a gestação, a melhor opção de parto, a recomendação na hora de amamentá-los e alimentá-los. Mas toda mãe sabe que não existe fórmula mágica, e a maioria das mães acaba entendendo que “fazer o meu melhor para o meu filho” nunca é o suficiente.

melhor para o meu filhoQuando tive a Mônica eu sempre me preocupava com a melhor maneira de amamentar, o jeito correto de segurar no colo, o momento certo de tirá-la do meu quarto e colocá-la no berço em seu próprio quartinho. Eu tinha muitas preocupações em “fazer a coisa certa” e, bem, como sou meio metódica, não ter um “manual” a seguir me deixava muito frustrada.

O meu primeiro sentimento com relação à vinda dos trigêmeos (quando me descobri grávida de três), foi o medo de perder o controle. Como iria cuidar de bebês tão pequenos? Eu tinha certeza que nasceriam muito prematuros, então, como eu daria conta de fazer tudo da forma como deveria ser feito e me sair bem? Buscando informações sobre múltiplos na internet, muitas pessoas citavam como faziam as coisas e eu, apavorada, achava que NUNCA daria conta do recado. Me sentia frustrada em ter essa responsabilidade e nenhuma probabilidade de sucesso.

O que é melhor para o meu filho e para mim

Foi para meu próprio bem que resolvi não sofrer por antecedência e não deixar o medo e as frustrações tomarem conta de mim. Resolvi viver um dia de cada vez e só tomar atitudes nos momentos necessários. Deixei de ler comentários desagradáveis e de dar atenção ao terrorismo materno. Nunca deixei me entrarem nos ouvidos coisas negativas sobre a vinda dos trigêmeos. Assim como as mães dizem que quem não tem filho não deve opinar e dizer como se deve cuidar do filho dos outros, quem tem só um filho não faz a menor ideia de como são as coisas numa casa onde têm vários. Ainda por cima da mesma idade.

Por isso eu não gosto nem de ouvir quando alguém interfere na minha rotina com meus filhos, principalmente alimentar. Eles comem frutas todos os dias. Não gostam muito de verduras mas comem cenoura, chuchu no feijão, brócolis. Eles comem arroz e feijão, risoto, polenta, carne vermelha, frango. Um deles não toma leite porque não gosta. Já a Mônica, essa é um bezerrinho. A alimentação deles é ótima. Nunca tomaram refrigerante ou comeram salgadinhos (coisas que até onde eu puder, vou evitar).

Por isso que não gosto quando me dão palpite sobre o desfralde (que foi “tarde”). Ou quando me dizem que tem dó dos pobrezinhos porque fiz a maldade de matricular meus filhos em turmas separadas na escola.

Por isso não gosto que me digam que meus filhos têm que cortar o cabelo, que não devem ficar no colo ou que não devem dormir comigo de vez em quando. Amor demais nunca estragou ninguém. Eu gosto do cheirinho dos meus filhos, gosto de beijar e abraçar todos eles todos os dias. Gosto de deitar com eles na caminha deles e AMO colocá-los para dormir comigo de vez em quando.

O equilíbrio ideal 

Eu não negligencio meus filhos. Eles têm a pediatra que cuida deles, com a qual eu me comunico com todas as minhas dúvidas. Também não mimo meus filhos, faço as coisas e dou as ordens ao grande grupo. O momento disciplina aqui é generalizado. Eles entendem bem melhor quando a gente manda todo mundo sentar e diz o que cada um tem que fazer. Às vezes o choro é geral porque eles estão sem saber o que fazer. Quando a gente organiza uma brincadeira, o momento de comer, os banhos ou qualquer outra atividade, eles obedecem e fazem tudo bem direitinho. Mas também gosto de ter momentos a sós com cada um, para poder prestar atenção em suas individualidades.

Cada casa, cada lar, funciona de um jeito ou de outro. Quando há amor, cuidado, atenção e carinho, ninguém deve vir meter o bedelho. Pode deixar que eu sei o que é melhor para o meu filho.

20 comentários

  1. Lívia

    Arrasou! É isso aí!!! Bedelhudos são um saco! Afe!

  2. Achei lindo e cheio de amor o seu texto. Caramba 3 hehehehe. Parabéns.

    1. Michele Kaiser

      Obrigada!!! Bjs!

  3. Ellen

    Super certa! Beijos nos babies Michele! Esse é o Murilo na foto?

    1. Michele Kaiser

      Isso mesmo! O Murilo!! Bjs!

  4. Ai quando eu for mãe quero ser assim tbm! haha
    “minha casa, minhas regras!”

    1. Michele Kaiser

      Totalmente!! Bjs

  5. Marilia Tapajós

    Porque essas pessoas não escrevem logo um livro, já que sabem tudo? Opinião só vale quando solicitada… As pessoas deveriam ter um mínimo de bom senso antes de sair se metendo na vida dos outros. E se você quisesse que eles dormissem todos os dias no seu quarto, o que os outros tem com isso??
    Haja paciência!

    1. Michele Kaiser

      Não é fácil mesmo… Bjs!

  6. lucirene de souza

    Oi Michele…
    Adorei o seu post de hoje, falou tudo! Cada caso é um caso!!! Oque é bom pra mim nem sempre é bom pra ti e, se tratando da criação dos filhos, cada mãe sabe oque é melhor pra eles. As vezes é melhor se fazer de louca e, deixar alguns comentários entrarem por um ouvido e sair pelo outro…Eu vou criar o meu filho do meu jeito e pronto!!! 😉
    Beijos na galerinha…

    1. Michele Kaiser

      Quando há cuidado e carinho, ninguém deve meter o bedelho! Bjs!!

  7. Michele Kaiser

    Obrigada pelo carinho, querida!! Aqui a gente é bem normal, apesar de ter mais filhos que a maioria! kkkk beijos

  8. Michele Kaiser

    Obrigada pelo carinho e pelo comentário, Khe! Cada filho é um filho e cada casa tem suas regras. Quando há amor e cuidado, ninguém deve se meter! Bjs!

  9. Camila Balotim

    Michele, adorei o desabafo ainda não tenho filhos mas acredito que não com um bebê já é complicado pq as pessoas se metem mesmo imagina você com trigêmeos as pessoas devem endoidar de tanto dizer o que vc tem que fazer certo (que no caso nem sempre pode ser o certo no seu caso).
    Gostei de um dos comentários que eu li acima que diz que vc escreve aqui de forma tão natural e normal kkk e isso é vdd eu como ainda nao tenho filhos lendo seus posts e vendo as fotos de todas as fofuras que vc tem fico imaginando o quanto de amor e carinho existe nessa casa.
    Da até uma vontadinha de ter múltiplos kkkkk.
    Beijinhos

    1. Michele Kaiser

      Hehehehe! É complicado, mas muito gostoso ter múltiplos. Amor temos de sobra! Bjs

  10. Sandra macedo

    Nossa apoiada em todos os aspectos.. Parabéns!!!! Vou compartilhar agora mesmo..

  11. Michele

    Oi Michele td bem?
    Sou sua xará e tenho uma historia bem parecida com a sua engravidei de trigemeos naturalmente sendo minha primeira gestaçao, 1 num saco gestacional e os outtos dois no mesmo, porem com 10 semanas os identicos nao evoluiram…foram muitos sustos tanto da descoberta quanto da involucao, enfim mais Deus com sua misericordia me deixou minha linda Maria Luiza que hoje tem 1 ano e oito meses….Adoro seus post….bjao

    1. Michele Kaiser

      Oi, xará! Nossa, quantos sustos, hein? Quando descobrimos com 6 semanas que eram dois sacos gestacionais (ainda não sabíamos que em um deles havia dois embriões) a médica nos disse que poderiam involuir e não serem gêmeos, ao final. Ela disse que isso é mais comum do que a gente pensa. Parabéns pela Maria Luiza!! Obrigada pelo carinho!

Deixe seu comentário