É preciso ter paciência

Paciência. Virtude de quem suporta males e incômodos sem queixumes nem revolta. Capacidade de tolerar contrariedades, dissabores, infelicidades. Qualidade de quem espera com calma o que tarda. Perseverança em continuar um trabalho, apesar de suas dificuldades e demora. É… É preciso ter paciência.

É uma virtude, a paciência. Ela é, de fato, um dom, um presente, uma bênção. É ela que ajuda a controlar nossos sentimentos, nossos anseios. É ela que faz respirar fundo, ter calma, contar até 10, não falar o que não se deve na hora da raiva e conseguir dar conta de tantas coisas que precisamos fazer.

É com muita paciência, organização e rotina que damos conta de nossos filhos. Nossos parentes e amigos sabem os horários do banho, refeições, soneca e sono noturno das crianças. Eles não mudam, assim podemos programar que horas vamos conseguir ter um tempinho para comer, ver um filme, ler alguma coisa e até receber um telefonema. Tudo isso foi estabelecido com muita paciência.

Com muita paciência, eu aprendi a saber escutar o choro dos meus filhos. Como não conseguiria atender o choro de todos ao mesmo tempo, aprendi a aguentar um choro de manha, por exemplo. Tento, com toda a paciência, explicar para meus filhos (ajoelhada, olhando olho no olho) que morder o irmão é feio, que dói. Explico que bater no mano faz dodói e ele chora. Mando fazer carinho e dar um beijinho no mano. Tudo com muita paciência.

Mas tem dias que as coisas são mais difíceis. Tem dias que mesmo contando até 100 eu sinto vontade de chorar. Tem dias que, mesmo mentindo para o marido que preciso ir ao banheiro para poder ficar um minuto sozinha, eu sinto vontade de sumir. Mas, com muita paciência, me lembro de tudo que deu certo – e que poderia ter dado errado – na minha gravidez e nos primeiros dias de vida deles na UTI neonatal. Me agarro à isso para me fortalecer e perceber o tamanho da sorte que eu tive. Só a paciência e o tempo podem me mostrar isso.

Afinal, foi com muita paciência que esperei meus meninos por 34 semanas. Foi com muita paciência que vim para casa três dias após a cesárea sem trazer meus filhos. Foi com muita paciência que lidei com 15 dias de hospital. Foi com muita paciência que cuidei de três recém-nascidos em casa. Foi com muita paciência que passei meses revesando o seio para que todos tivessem leite materno. Com muita paciência e amor que tenho passado os últimos três anos.

é preciso ter paciência

O sorriso é a recompensa.

Há muito tempo meu marido e eu temos deixado de lado diversas coisas que fazíamos – e tantas outras que gostaríamos de fazer – para viver para nossos filhos. Nossa rotina é tomada totalmente por eles, mesmo que arrumemos um tempinho para ver um filme ou ler um livro. Como a maioria dos pais, todas as nossas preocupações giram em torno deles e isso, às vezes, se torna frustrante. Mas, com muita paciência, penso novamente que é durante um tempo, que quando eles estiverem um pouco maiores poderemos ter um pouco mais de tempo para voltar a ter nossos próprios sonhos e ambições.

Eu vivo de sonhos e expectativas. Todos os dias penso que amanhã vai ser melhor. Eu me considero uma pessoa muito positiva e é assim que quero criar os meus filhos. Com muitos sonhos, e perseverança para conseguir alcançá-los. E, para isso, é preciso ter paciência.

5 comentários

  1. Sandra

    Que lindo…precisamos ter paciência.

  2. Vivian

    Ufa! Me sinto melhor sabendo que não sou só eu! E eu me apego nas mesmas coisas que vc Mi. Saber que tudo deu tão certo até aqui, 36 semanas de gravidez trigemelar, 1 semana de uti neo, é a minha sustentação p seguir em frente!!
    Cuidar de 3 não é fácil, mas a recompensa virá vezes 3 tb eu tenho certeza!

    1. Michele Kaiser

      Com certeza!! Beijos.

Deixe seu comentário