Ciúmes entre irmãos

Quando planejávamos o segundo filho, uma das maiores preocupações que tínhamos era em como a Mônica ia lidar com o ciúmes que sentiria do bebê que ia nascer. Sabíamos que isso aconteceria e queríamos fazer o que estivesse a nosso alcance para amenizar o sentimento. O ciúmes entre irmãos foi, inclusive, um dos motivos por termos decidido ter a segunda gravidez logo: não queríamos que ela e o(a) irmão(ã) tivessem muita diferença de idade.

Hoje a gente até ri quando fala sobre isso. Achamos que tendo pouca diferença de idade entre os dois faria com que o ciúmes entre irmãos fosse menor. Mal sabíamos que teríamos três da mesma idade e que o ciúmes sempre estaria presente, de uma forma ou de outra. Independentemente da idade ou gênero, as crianças sempre vão sentir – em um momento ou outro – um pouco de ciúmes do irmão.

Então, sabendo que seriam três, planejamos preparar a mais velha ainda durante a gravidez. Fazia ela participar da novidade mostrando minha barriga, falando sobre os irmãos e mostrando para ela o quanto era bom ter três novos bebês em casa, que ela teria mais três pessoas para amar. Ela vibrou com o quartinho deles, “ajudou” a arrumar tudo. Quando eles nasceram, demos à ela uma caixinha de música com uma bailarina que ela estava me pedindo para ganhar havia alguns meses. Ela tinha 2 anos e 2 meses. No dia que os meninos vieram para casa, planejamos tudo. Ela estava dormindo sua soneca da tarde quando chegamos e, quando acordou, encontrou os pacotinhos dormindo em seus bercinhos em seu quarto. Apresentamos eles à ela e demos o presente que ela tanto queria dizendo que foram eles que mandaram. Ela ficou muito contente.

O momento em que Mônica conheceu os irmãos:

Então, com o passar do tempo, mamãe e papai precisavam dedicar bastante tempo aos novos bebês, mas nunca deixamos ela de lado. Meus pais estavam morando temporariamente em nosso prédio, então, sempre dava para alguém levar ela no pátio ou fazer alguma atividade com ela. Claro que teve alguns dias que não conseguimos dar atenção a todos da maneira como gostaríamos, mas nossa maior preocupação era com ela, pois os meninos ainda eram muito novinhos para sentirem ciúmes ou entenderem qualquer coisa. Quando eles já tinham 1 ano e 4 meses, ela iniciou na escola e então as tardes passaram a ter mais novidades para ela e mais coisas para nos contar. Era legal porque ela chegava cheia de novas experiências.

Mas aí iniciou o ciúmes entre irmãos, coisa que eu não pensei que fosse acontecer. A gente sempre pensa que irmãos gêmeos vão se amar acima de tudo, que o que um sente o outro também sente e blá, blá, blá. Mas na nossa realidade aqui, os meninos começaram a ser brigões entre si e não gostar de dividir as coisas entre eles. Passaram a morder uns aos outros e bater, empurrar. Passaram a fazer grupinho e excluir o terceiro. Primeiro foi Murilo e Marcelo que brincavam muito e deixavam Matheus de lado. Depois o Murilo começou a brigar com Marcelo (em partes porque percebia que qualquer olhada atravessada já virava um choro) por pura diversão. Aí, Murilo e Matheus passaram a querer bater no Marcelo em bando. Isso, penso eu, porque percebiam que ele tinha medo. Precisei intervir diversas vezes.

Ciúmes entre irmãos: os gêmeos idênticos são mais próximos?

Como Matheus e Murilo são gêmeos idênticos (univitelinos), pensávamos que Marcelo seria excluído por eles pelo simples fato de não ser tão conectado com os outros. Mas nos enganamos. Eles não têm mais coisas em comum entre si do que com Marcelo. Na verdade, tem tudo a ver com a maneira como é a personalidade de cada um. O Marcelo é mais carinhoso conosco. Nos abraça e agrada. O Murilo é mais sacana, gosta de fazer brincadeiras e se exibir para os outros. O Matheus, muito metódico, bota ordem na casa. Assim, ultimamente, quando Murilo olha para o Marcelo com cara de brabo e Marcelo chora, Matheus vai lá e diz: “não, mano. Amigo”. As coisas vão se resolvendo.

ciúmes entre irmãos

Mônica, Marcelo, Murilo e Matheus.

Sempre rola um pouco de ciúmes deles um com o outro por causa dos brinquedos ou qualquer coisa que estejam mexendo. Até a Mônica vê um brincando com uma coisa diferente e vai lá dizer que também quer. Quando saio para trabalhar, eles brigam para ver quem vai fechar a porta. Quando chegamos em casa, eles correm para ver quem vai abraçar primeiro. A gente incentiva o fato de emprestar as coisas para os irmãos, mesmo que seja só dar e devolver um minuto depois.

De forma geral, meus filhos se dão bem e brigam com menos frequência agora que estão entendendo melhor e se comunicando melhor conosco. Espero que o relacionamento entre eles melhore a cada dia mais e que, quando crescerem, se tornem grandes amigos e parceiros.

Leia mais sobre a personalidade dos trigêmeos em fases diferentes.

Até mais!

7 comentários

  1. Arielle

    Que lindo, a Mônica falando com a mesma entonação que os meninos falam hj!!!

    1. Michele Kaiser

      Que amor, né?? Querida. Obrigada!

  2. Qqq deliçaaa esses bebes
    >< paixao

    1. Michele Kaiser

      Obrigada! 🙂

  3. Debora Garcia

    Esses meninos são Tri-lindos… Mas a Mônica é demais!!
    Parabéns… Linda família!!

    1. Michele Kaiser

      Obrigada, Debora! Ela é demais mesmo!

Deixe seu comentário