10 trapalhadas de mãe

Mãe se desdobra para dar conta dos filhos, da casa, do almoço, da lição, de levar aqui e ali… Às vezes a correria é tanta que a gente fica doidinha! Têm dias que a gente está tão cansada que acaba fazendo umas maluquices, não é mesmo? Neste post, listo 10 vezes em que eu fiz alguma coisa doida: 10 trapalhadas de mãe!

1) Atropelei a mochila do meu filho na garagem. Eu estava muito cansada dos choramingos dos quatro na saída da escola. Depois de mais de uma hora insistindo para irmos para casa, consegui levá-los até o estacionamento onde coloco o carro para buscar as crianças no colégio. Vi que o manobrista tinha colocado o nosso carro em um canto de difícil acesso. Eu ia precisar colocar o carro um pouco para a frente para conseguir abrir as portas de trás. Sem ajuda e preocupadíssima em não atropelar meus próprios filhos na garagem, dei ordens para que todos sentassem no chão em um cantinho estratégico e se protegessem. Prestei muita atenção para não engatar a marcha errada e não dar a ré ao invés de ir para a frente. Apenas esqueci de me preocupar com as mochilas. Marcelo havia largado a mochila na frente do carro e eu não tinha visto. O pneu frontal esquerdo esmagou a pobre mochila, quebrando os potinhos do lanche e a garrafa d’água.

2) Levei o filho errado no médico. Há dois anos, marquei reconsulta com a otorrinolaringologista para a Mônica em um dia e para o Marcelo em outro. Quando cheguei ao consultório com o Marcelo (deixando os outros 3 filhos com uma vizinha), me deparei com uma secretária diferente, que não me conhecia. Ela olhou a carteirinha do plano de saúde e, desculpando-se, me afirmou que não tinha consulta marcada para nenhum Marcelo naquela manhã. Por sorte, ela se deu conta que tinha outra criança com o mesmo sobrenome e me perguntou sobre “Mônica Velho Kaiser”. Sim, levei o filho errado no médico, aquele dia era a consulta da Mônica! Por sorte, como era só revisão, a secretária trocou as fichas e a doutora atendeu o Marcelo naquele dia e a Mônica no horário dele, uma semana depois.

3) Procurei o terceiro trigêmeo e ele estava no meu colo. Uma vez, eu estava com o técnico de informática consertando meu computador em casa e, ao mesmo tempo, tentando finalizar o almoço. Com frequência – e principalmente na escola -, eu fico procurando meus três filhos. Estou sempre contando mentalmente “1, 2, 3” para achar os trigêmeos e mais a Mônica. Naquele dia, eu vi o Marcelo e o Murilo brincando na sacada e a Mônica no quarto dela. Não estava encontrando o Matheus. Andei pela casa gritando “Matheus, Matheus!” e não conseguia encontrar o menino. Ao que o técnico me olha e diz: “Matheus não é esse aí no seu colo?”.

trapalhadas de mãe

Matheus com 2 pés esquerdos. Foto: Rafaela Romio

4) Caí um tombo na escola. Busquei Marcelo e, com ele, fui até a sala do Murilo. Ele me viu de longe e veio correndo. Me abaixei para recebê-lo. Ele me abraçou tão forte que perdi o equilíbrio e caí de costas no chão, com as duas pernas para cima. Pelo menos salvei ele de se machucar.

5) Continuei vendo desenho e as crianças já tinham dormido. Certa vez me peguei dando risada da Peppa Pig, que disse a seu pai que ele era barrigudo. Olhei para o lado para rir junto com alguém e me dei conta que eu estava sozinha na sala, assistindo Discovery Kids, sem filho algum comigo.

6) Esqueci meu filho sentado no vaso. Um dos trigêmeos pediu para fazer cocô e eu fiquei lá com ele. Como estava demorando muito, eu fui fazer outra coisa e disse que já voltava. Acabei me distraindo e fiquei no celular por uns minutos. Quando fui para a sala, encontrei dois meninos e a Mônica brincando. “Ué, cadê o terceiro?”, pensei. Encontrei o pobrezinho quase dormindo sentado no vaso. Disfarcei e perguntei “deu?”.

7) Levei Mônica sem um dos tênis. Quando Mônica tinha cerca de 1 ano e 2 meses, eu deixava ela com uma prima nossa no final da tarde para poder dar minhas aulas de inglês. Eu levava ela para a casa da prima lá pelas 16h30 e meu marido buscava somente às 21h. Um belo dia, cheguei em frente ao prédio da prima com a Mônica calçando apenas um pé dos tênis. Aí me lembrei que quando eu coloquei ela na cadeirinha no carro ela choramingou, como se quisesse me dizer alguma coisa. Devia estar querendo avisar que o tênis tinha caído. Dito e feito. Voltei para casa e lá estava o tênis, do lado do carro.

Leia também: 10 vezes em que usei filhos como desculpa

8) Esqueci de levar fraldas extras. E conhecem Murphy, né! Ainda sobre Mônica ficar na casa desta prima… Eu era bem mãe de primeira viagem mesmo! Sempre mandava a mochilinha com as coisas da Mônica, especialmente com fralda, lenço umedecido, mamadeira e muda de roupa. Só que cada dia eu esquecia de uma coisa! Lembro de uma vez esqueci de mandar fraldas e Mônica fez número 2. Que drama. Ela teve que deixar Moniquinha sem fralda. Que vergonha. Depois disso ela acabou comprando um pacote de fraldas reserva para deixar lá porque eu era muito atrapalhada com uma filha só. Na verdade, mesmo quando eu ia passear na vovó ou no shopping, eu SEMPRE esquecia de alguma coisa… Com quatro filhos eu me obriguei a me organizar melhor.

9) Mandei meu filho para escola com 2 pés esquerdos do tênis. Ganhamos de uma marca de calçados 3 pares exatamente iguais para os trigêmeos. Tênis de couro azul marinho lindos e confortáveis para usarem na escola. Mas nem sempre os três vão com os sapatos iguais. Um dia, ao arrumar o quarto deles durante a tarde, encontrei um par deste tênis completo e outro “par” de dois pés direitos. Quando busquei as crianças na escola, vi que o Matheus tinha ido para a escola com dois pés esquerdos.

10) Desfilei pelo colégio com a maquiagem que a Mônica me fez. Na escola, no Dia das Mães, as crianças tinham que maquiar as mães. Levei uma sombra preta e vários outros itens. Mônica escolheu a sombra preta e me maquiou. Não me olhei no espelho. Terminada a atividade, fomos para casa. Passamos pelo pátio da escola, pela lancheria, pelo bar… E notei que as pessoas estavam me olhando. “Ah, é porque ela me maquiou e deve estar estranho”, pensei. Quando sentei no carro e me olhei no espelho retrovisor, até eu me espantei. Eu estava com o rosto TODO preto, até as bochechas.

Leia também o post da Sabrina, do blog Jeitinho de Mãe: Gafes da maternidade

7 comentários

  1. Evlly Moreira

    KKKKKKKKKKKK, dei muita risada com essa histórias!

  2. hehehe Muito bom, Michele! Nós famos muitas trapalhadas e coisas esquisitas, né?
    Eu também fiz minha listinha aqui:
    http://somelhora.com.br/2016/04/05/coisas-esquisitas-filho/

  3. Helen

    kkkkk. Lembro de você ter contado em algum post as 2 e 3. E agora eu ri de novo. É mais ou menos aquela situação de procurar os óculos quando eles já estão na sua cara ou na sua cabeça.

  4. Valéria

    Amei a história e fiquei feliz em saber que não sou a única que esqueço alguma coisa quando vou a algum lugar, kkkkk, tenho gêmeos, o meu é um casal.

    1. Michele Kaiser

      Hehehehe. Eu fazia isso com mais frequência quando tinha só uma filha do que depois de ter quatro! Vai entender… kkk Acho que era o medo de esquecer. Trauma. Beijos.

  5. Daiana

    Minha sobrinha foi passar um final de semana em casa uma vez, ela tinha 1ano e meio, iamos pra igreja e ela já estava toda arrumadinha quando fez uma surpresa na fralda e como ela estava de vestido só levantei o vestido pra lavar o bumbum e ela saiu do banheiro, meu padastro vendo ela “arrumada” levou pra igreja e e só quando chegou lá notou que a pequena estava sem nada por debaixo do vestido kkkk ele voltou pra casa e rimos muito, até ela pq apesar da pouco idade, era bem entendida

    1. Michele Kaiser

      Hahahahaha. Imagina se tivesse feito outra surpresa na igreja!! Beijos!

Deixe seu comentário