A força de uma mãe: cuidando sozinha

Que a vida da gente muda muito depois de termos filhos todo mundo sabe, mas nem todo mundo entende o quanto. A gente se descobre forte, uma força inexplicável para proteger e cuidar do nosso filho: a força de uma mãe.

Tenho quatro filhos e me chamam de corajosa. Nunca entendo o que querem dizer com isso, mas levanto a cabeça e sigo em frente. Como dou conta? Tenho um marido muito parceiro. Mas estes dias foram uma loucura! Meu marido teve febre e ficou de cama e, pela primeira vez, tive que dar conta de tudo sozinha!

Dar janta, levar fazerem xixi, dar banho e arrumar, fazer dormirem. Brincar, pintar, contar história. Levar para o colégio, convencer a entrarem na escola, buscar na escola e trazer para casa. Tudo isso eu tive que fazer sem a ajuda do meu companheiro de todas as horas. Foi puxado, mas me ajudou a deixar ressurgir a minha força. A força de uma mãe.

A força de uma mãe

Estava tentando me lembrar quando foi que me senti mãe pela primeira vez. Quando descobri que estava grávida da Mônica, depois de quase dois anos tentando ficar grávida, senti um misto de alegria e muito medo. Eu achava que estava preparada, mas quando de fato descobri a gravidez, senti um frio na barriga muito grande. Como se a responsabilidade chegasse e eu não fosse dar conta.

Tive uma gravidez tranquila, com poucas intercorrências, e no dia que ela nasceu, depois de uma cesárea de emergência às 38 semanas e meia, ainda não me senti mãe. Na verdade, senti uma coisa muito estranha: medo. Nem sabia explicar, apenas vi que minha vida ia mudar mesmo.

Conforme as coisas foram acontecendo, depois daquele período ingrato do puerpério – quando a gente não sabe mais nem quem é – fui me acostumando com a ideia de ser mãe e passei a me sentir mais capaz de cuidar daquele ser maravilhoso que havia gerado. E passei a realmente me sentir mãe e sentir o amor protetor incondicional que tanto tinha ouvido falar. Comecei a sentir a força de uma mãe.

Quando descobri minha gravidez de trigêmeos, os medos tomaram conta de mim. Mas depois que aceitei a condição e me comprometi a ver somente o lado bom das coisas, os sentimentos negativos me abandonaram, e passei a me sentir mais forte como mãe. Afinal, eu sabia que precisava ser forte para suportar tudo que viesse, e parece que isso despertou a força de uma mãe.

Ser mãe é um serviço diário de altruísmo. Hoje sinto que mudei muito, sinto como se tivesse amadurecido muitos anos em um. Não tenho mais medos de coisas que, antes, me assustavam muito. Tenho outros medos agora. Credito tudo isso à vinda dos meus filhos. Ter filhos me fortaleceu, me tornou uma pessoa melhor, ainda cheia de preocupações e certos medos, mas uma pessoa bem mais segura e realizada.

Nem me lembro mais como era minha vida antes, sem meus filhos, quando achava que não tinha tempo para alguma coisa ou quando me programava para passar uma tarde inteira lendo um livro. Na verdade, mãe é masoquista mesmo, adora esse “sofrimento” que é ser mãe.

força de uma mãe

Foto de Diego Sallaberry

4 comentários

  1. Nadia

    Parabéns pela força mamãe guerreira. Seus filhos são uma benção.

    1. Michele Kaiser

      Muito obrigada pelo apoio e pelo carinho. Beijos!

  2. Ligia

    Parabéns!! Incrivel a força e leveza que vc passa aqui! Sou mãe de trigemeos como vc (gravidez espontanea depois de um menino ja com 3 anos) eles tem 5 meses e adorei saber que depois do 1o ano tudo se encaixa e melhora! Beijos e parabéns!

    1. Michele Kaiser

      Oi, Ligia! Sim, depois do primeiro ano tudo melhora! Mas depois dos 3 anos as coisas ficam maravilhosas! kkkkk… Vem contar sua história aqui! Escreve para contato@ostrigemeosdamichele.com.br e eu te digo o que fazer. 😉

Deixe seu comentário