O dia em que meu filho se trancou no quarto

Mesmo nos momentos mais difíceis, o segredo é manter a calma. Com muita frequência entramos em pânico quando algo acontece, então imagina quando acontece com nossos filhos?! O que fazer quando estão em perigo? O dia em que meu filho de 5 anos se trancou no quarto.

Estávamos de férias no sítio de meus tios, em uma cidade do interior. Lá, meu tios haviam separado dois quartos para minha família: um para meu marido e eu e, ao lado, um para minhas quatro crianças. Gostei da disposição (minha tia arrumou duas camas de casal grudadas para os quatro dormirem juntos) e também adorei o fato de termos um banheiro só para nós.

Ao sair de casa, me preocupo com diversos quesitos sobre a segurança dos meus filhos. Estava particularmente preocupada, neste caso, com a piscina da casa. Meus filhos já estão com 7 (Mônica) e 5 anos (trigêmeos), mas com piscina os acidentes são inúmeros. Como eles não iam dormir no mesmo quarto que a gente, orientei a, ao acordarem, irem direto ao nosso quarto nos chamar pois tinha medo que fossem explorar a casa e encontrar perigos – em especial a piscina!

meu filho se trancou

Mas deixei passar um detalhe. No segundo dia, quando fomos colocar as crianças para dormir, aconteceu um fato inusitado. Levei os 4, já de pijamas, ao banheiro para xixi e escovar os dentes. Fizeram fila e o Murilo foi o primeiro. Ao terminar, ele saiu do banheiro e foi ao quarto. Entrou, fechou a porta para fazer uma brincadeira conosco e trancou a porta! Quem disse que ele conseguia sair depois?

Leia também:

O que fazer quando a criança engole massinha de modelar?

Sempre verifique chaves e portas

Poxa, de tantas coisas que me preocupei, esqueci de verificar as chaves! Como são portas internas de casa, a chave da porta era simples, daquele modelo que a mesma abre e fecha várias fechaduras. Eu mandei ele abrir a porta, mas ele não conseguiu. Estava trancado do lado de dentro!

Eu o orientei a manter a calma e pensar em como ele tinha chaveado. O lado que ele tinha girado a chave agora precisava ser contrário para abri-la. Mas eu notei que ele virava a chave de um lado para o outro, sem sucesso. Meu marido ficou muito nervoso e queria chamar meu tio para desmontar a janela (que estava trancada), mas pedi para ele manter a calma para resolvermos com a razão, não emoção.

Ao perceber que ele estava virando a chave de um lado a outro, fui ao meu quarto e peguei a chave para tentar destrancar com aquela. Porém, como a chave do quarto deles estava dentro da fechadura, a minha não entrava. Tentei, então, espiá-lo pelo buraco da fechadura. Pude ver que ele abria tudo para um lado e depois girava de novo tudo para o outro. Mas muito rápido, sem dar tempo de destrancar a porta.

Então, fiquei ali observando e orientando: “- Murilo, gira a chave uma vez”. Ele girou duas, três. “-Calma, filho. Uma vez só. Isso. Agora gira pro outro lado”. Pelo buraco da fechadura, via a chave mexer e dizia para continuar ou parar. Até que ele finalmente deu 3 voltas na chave para o lado certo e pude abrir a porta. O segredo foi ficarmos calmos e resolver, sem pânico.

Se ele fosse mais novinho, talvez não tivesse entendido minhas orientações. Então, a recomendação é sempre prestar atenção à chaves em portas, especialmente de banheiros. Pode ser muito perigoso uma criança se trancar em um banheiro, por exemplo. As janelas de banheiro são geralmente altas e não podemos pulá-las para salvar a criança. E o vaso sanitário e produtos de higiene são perigosos demais para eles. Com criança, todo o cuidado é pouco! Até mais!

Deixe seu comentário