Nós temos trigêmeos idênticos!

Foto de Bruno Todeschini

Depois de 10 anos, descobrimos que nossos trigêmeos são idênticos! Depois de falar tantas vezes aqui no blog e nas redes sociais que nossos filhos eram frutos de dois embriões e que um tinha se dividido em gêmeos idênticos, preciso reorganizar meus pensamentos e entender o que aconteceu dentro do meu útero há tantos anos atrás.

Quando engravidei pela segunda vez, em fevereiro de 2013, levei um susto muito grande na primeira ecografia ao vermos dois sacos gestacionais. De acordo com a médica que nos atendeu naquele dia, eu estava grávida de gêmeos bivitelinos. Ou seja, eu havia ovulado duplamente, os dois óvulos haviam sido fecundados por dois espermatozóides, e eu estava esperando dois bebês não-idênticos. Eu teria tido o caso da ilustração abaixo, à direita.

nós temos trigêmeos idênticos

Diferença entre gêmeos idênticos (ou monozigóticos ou univitelinos) e fraternos (ou bivitelinos).

Porém, alguns dias depois, descobrimos que, na verdade, em um dos dois sacos gestacionais havia dois embriões. Eu estava grávida não de gêmeos, mas de trigêmeos!

Observe a imagem acima novamente. Segundo os médicos, tínhamos os dois casos acima numa mesma gestação e, por isso, haviam nos dito que nosso caso era de trigêmeos plurivitelinos. Tínhamos os gêmeos fraternos e, dentro de um dos sacos gestacionais, tínhamos o caso dos gêmeos idênticos. É o caso da ilustração da direita e, dentro de um dos embriões, o caso do desenho à esquerda. Isto é, dois gêmeos idênticos e um fraterno ou não-idêntico. Diferente.

Porém, desde que eles nasceram (com 34 semanas, em outubro de 2013), vimos semelhanças importantíssimas nos três. À época, até escrevi sobre isso neste texto onde me questionava e fui informada que seria possível sim que eles três fossem idênticos. Havia uma explicação para isso e a dúvida poderia ser tirada com um teste de DNA de gemelaridade. Como o exame era caro e não necessário, deixamos de lado.

Mas com o passar dos anos, eles foram ficando ainda mais parecidos e a curiosidade foi aumentando. Descobrimos que os três precisavam de óculos porque tinham astigmatismo e praticamente o mesmo grau. E recentemente ficamos chocados com o fato de que, em um raio X da boca, descobrimos que os três não têm o mesmo dente molar permanente. Uma grande coincidência que só nos deu a entender que eles eram, sim, idênticos! Tava na hora de tirar a dúvida e fazer o exame.

Fizemos o teste de DNA de gemelaridade no Laboratório Diagnose, em Caxias do Sul-RS, pelo custo de R$210,00 por criança. Neste exame, realizado com a coleta de saliva, descobrimos que os trigêmeos são 100% idênticos.

Segundo o Laboratório Diagnose incluiu no laudo: “raramente a divisão acontece muito precocemente (estágio de mórula) e, nestes casos, cada gêmeo terá seu âmnio, seu córion e sua placenta. O evento mais comum é gêmeos monozigóticos (idênticos) compartilharem a mesma placenta”.  

Pesquisando em sites médicos na internet, encontrei a informação de que o estágio de mórula representa a última etapa da divisão celular após a fertilização do óvulo. Quando a separação dos gêmeos acontece dentro de 72 horas após a fertilização, resultam dois embriões separados, como se fossem bivitelinos ou não-idênticos!

De acordo com o site Brasil Escola, a formação dos gêmeos monozigóticos pode ocorrer no primeiro dia da fertilização ou então até 14 dias após. “Em 30% dos casos, essa formação inicia-se com a separação dos blastômeros por volta do terceiro dia, quando o zigoto ainda é chamado de mórula. Nesses casos, durante o desenvolvimento, observa-se a formação de cório e âmnio individuais. Em 70% dos casos, no entanto, a formação começa mais tardiamente e verifica-se a formação de um córion e dois âmnios, quando a divisão inicia-se até o oitavo dia de fecundação, e um âmnio e um córion quando a divisão é iniciada após esse período.”

Veja mais no site Brasil Escola sobre “Gêmeos”. 

Encontrei, ainda, a informação de que, quando a separação dos gêmeos acontece entre 8 e 13 dias, apenas um âmnio e cório se formam. Cerca de 2% das gestações incluem essa variação (que é considerada a mais arriscada para a saúde e formação dos fetos).

O que aconteceu no nosso caso foi que eu só tive um óvulo, que foi fecundado com um espermatozóide. Este embrião se dividiu uma vez ainda na fase mórula (até 72h depois da fertilização do óvulo) e voltou a se dividir entre 8 a 13 dias depois da fertilização. Um embrião que se dividiu duas vezes em fases diferentes. 

Minha irmã querida, Marina Faé Velho Schmitt, fez esta arte para me ajudar a explicar melhor o que tinha no meu útero:

trigêmeos idênticos

Crédito da imagem: Marina F V Schmitt

Eu achei esta história toda INCRÍVEL! Nem acredito que os nossos trigêmeos são idênticos, ainda mais raros do que nós pensávamos. Por enquanto, esta descoberta não muda nada na nossa vida. Mas explica algumas dúvidas que tínhamos. Com relação à saúde, pode ser útil saber isso pois eles podem ser doadores de órgãos ou medula de uns para os outros, por exemplo.

Descobri que sou uma máquina de xerox! Heheheehe. Até mais!

1 comentário

  1. Avatar
    Gerlane

    Que incrível! Acompanho sua história desde o início, quando ainda não era mãe e sempre achei que eram idênticos. Hoje tenho um rapaz de sete anos, fui mãe aos 42 e você sempre é uma inspiração para mim. Felicidades para você e para essa família linda. Um feliz 2024!

Deixe seu comentário